sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Sid

Sid era um garoto normal. Não era inteligente e era tão maleável quanto possível. Ele confundia amor com paixão. Não saberia nunca diferenciar o que sentia pelas pessoas. Tinha um melhor amigo que era diferente dele aos extremos. Tinha tudo que ele queria ter, inclusive amor. Pelo menos assim pensava.
Seus amigos o tratavam bem, mas nunca passou disso. Talvez, nenhum deles seria capaz de fazer por ele algo que mudasse sua vida, mesmo que quisessem. As pessoas que o viam com frequência, diziam que ele era um perdido, que nunca seria ninguém na vida. 
Pobre garoto, que farto de tudo que havia lhe cercado, agora buscava a felicidade na obediência.
Sentia-se deslocado de tudo e todos. Sempre se imaginava como outra pessoa, e sorria. Teria prazer em ser outro alguém.
Seus pais vivam em constante brigas. O amor deles estava demasiado frágil pra suportar a adolescência do filho, junto com seus próprios problemas. Simplesmente fingiam não ver que ele estava apagando aos poucos, por vontade própria.
Ele conhecera uma garota. Tão louca quanto ele. Mas ela sabia da vida, diferente dele. Ela estava apaixonada por ele, mas ele não tinha olhos pra ela. A verdade é que ele não iria admitir que a amava. O que diriam seus "amigos"?
Deixaria que ela queimasse seu amor nos braços de outras pessoas, porque julgava assim ser o melhor.
Ele iria antes, sentir um vazio imenso dentro do peito, para só então começar a admitir a verdade. Queria ela. Sua companhia, seus abraços, beijos e palavras de conforto. Mesmo que essas não fizessem sentido as vezes.
Mas isso não aconteceria antes de muitas tragédias. Mortes, perdas irreparáveis, auto-destruição...
Iria estragar tudo inúmeras vezes. Chegaria a desistir de tudo.
E somente um dia, quando o tempo fosse favorável, iria procurá-la.
Claro, que como todo garoto bobo, que resolve ser o herói de ultima hora, precisaria de um empurrãozinho.
E teria. Teria apoio pra ir atras do seu amor, mesmo que não adiantasse mais.
Mas tudo faria sentido pra ele. Eles seriam a  razão um do outro.
Não importava se hoje, ou amanha, ou ainda depois. Queria estar ali, do lado dela.
A verdade, é que Sid sempre precisou dela. Só não sabia que essa "ela", um dia realmente existiria.

2 Confessaram:

Tamiris Mend. disse...

"Ual"

Ana Luiza Cabral disse...

Gostei.

Postar um comentário