sábado, 29 de dezembro de 2012

Pandora Box

Você dirá que seu remédio sumiu.
Mas se você perdeu ele de vista, não era importante.
O mundo está azul e amarelo. Nada será igual agora.
Não se acha nada, quando se procura as cegas; As coisas acontecem.
Você será encontrado. Deixe que seja.
Tem uma caixinha escondida. Nela cabe tudo.
Mas tome cuidado pequeno! O que vai guardar nela?
Seria ela aberta, causando desespero? Ou alegria?
Pandora pereceu. Ela era eu. Ela era você.
Nos não pereceremos. Ficaremos juntos.
Temos um ou outro, e por mais que falte algumas coisas, nos bastamos.
Nada poderá desfazer essa verdade.
Sabe porque? Simples, isso não foi escolhido.
Eu e você, simplesmente aceitamos...

domingo, 23 de dezembro de 2012

Crônicas de um Apaixonado, Pt4

"- A quanto tempo filho. Como vai sua estadia nesse mundo? Espero que esteja bem, entenda. Eu jamais te expulsei, Você foi por vontade própria. E agora, o que tens? Creio que já sabe a resposta. Mas, também tenho pena de você. mando-te um ultimo presentinho. Espero que goste. Com amor, Seu Pai."


Dor. Era tudo o que eu sentia. Vozes, cheiros, visões. Tudo parecia irreal demais, triste demais. Me sentia seguido e a cada passo, poderia jurar que tudo isso era em vão. Como meu toque te traria de volta? O que estava te guardando? Sabe, eu não podia acreditar que não faziam cinco minutos que estava ali e já não tinha esperanças...
Senti o cheiro de enxofre ficar mais intenso. Uma criatura estava parada diante de meus olhos. A saliva escorria por sua boca, mas não chegava ao chão; Ela evaporava com o calor daquele lugar. Seus olhos me encontraram e não pude deixar de perceber a dor, a angústia. A sensação que tinha era que aquilo era um simples boneco. Sua voz encheu o lugar. Eu me concentrei para não cair:  "- Em vão. Toda essas suas brincadeiras terminam aqui. Você, não tem o direito de estar aqui, mas, façamos uma troca. Responda a minha pergunta, corretamente, e te levarei pro lado de sua doce amada." Eu não sabia o que dizer. Minha voz falhou e ele tornou a falar: "- Filho da vida, caído da terra. Você se acha forte e esperto suficiente para vir aqui. Minha questão é simples, e sem rodeios. O que te suga até o fim, e quando quase te mata, ele te dá  forças de novo? Vamos, responda à mim." Eu travei. Como um músico envergonhado diante sua platéia. O que seria? Pensei nas palavras que me trouxeram até ali, pensei em como poderia eu, te trazer de volta. Te fazer feliz. Eu sabia. Gritei o mais alto que pude, e vi a destruição nos olhos da fera. "AMOR". Ele se desmoronou e se juntou aos corpos mutilados no chão. Aquilo não era somente uma palavra, era poder.
No mesmo instante, vi-me diante de um trono. Um lugar escuro e sujo. Vi você, amarrada e com aquele mesmo olhar doentio. Eu mataria para tê-la de volta.
Foi quando eu vi um anjo descer das escadarias e conversar comigo: "- Então, você veio por ela? Muito bem, você sabe que ela é minha. Seu corpo não é tão importante, afinal, logo se desmanchará. Mas sua alma... Ah! Que gosto delicioso! Tem certeza de que não quer outra coisa? Dinheiro, fama, habilidades? Ou tudo isso? Devo fazer um belo pacote e te mandar de volta? Vamos, caro vassalo, é isso que deseja?"
Vassalo? O que ele quis dizer? Eu queria você. Um toque, ele tinha prometido. Um toque. "- Não quer nada disso, não é? Você quer ela, certo? Mas isso, não posso te dar. Não quando sei o que ela é. O que, não me diga que o papai não te falou? Claro, a parte boa ele deixou pra mim! Muito bem, isto ficou interessante... Já ouviu falar sobre um messias que iria salvar seu povo, e liderá-lo diante do meu poder? Pois bem, ele não é um homem meu querido. Ele na verdade é ela. E disso eu não devo abrir mão." O anjo se calou, assim como os meus pensamentos. Eu sabia agora quem ele era. Mas minha amada, era a salvadora do mundo. Ele tinha a faca e o queijo na mão, e eu, era somente uma pequena formiga diante seus pés. O desanimo me inundou, nenhuma palavra vinha à mente. Eu jamais poderia tê-la, mesmo que a salvasse. Ela era algo mais. Meu amor nada era diante do destino que estava por vir. Toda uma raça dependia dela e eu não podia fazer nada...
"- Como você é quieto. Está me chateando, devo acabar com sua pequena existência, não! Vou manter você aqui, para ver como irei destruir seu corpo. Sim! Irei comer a carne dela diante teus olhos, irei deflorá-la. Ela vai ter desejado morrer. Imagine a vergonha dela, de ser submetida a tudo isso na sua frente... Lindo não? E acredite, tenho muito tempo. Iremos nos divertir e eu ainda ganho de brinde, uma aposta feita eras atrás..." O céu negro começou a se rasgar. Vi apenas uma luz entrar e chegar perto de mim. Os olhos do anjo tremeram levemente, mas ele apenas sorriu. A pessoa que estava na minha frente se ajoelhou diante de mim e falou com um tom tão passivo, que me embriaguei lentamente: "- Perdão meu irmão. Nunca foi minha intenção tomar sua vida". Era o meu assassino, o homem que eu perdoei. "- Como ultimo instante, deverei pagar meu débito. Saiba que só o deterei por um breve período. Foi me concedido muito pouco, mas devo dar tudo a você. Essa é nossa melhor chance." A determinação dos olhos dele me deram forças pra levantar. Enquanto ele correu para atacar o anjo, eu corri para minha amada, sem olhar pra trás. O anjo gritou palavras incompreensíveis para meus ouvidos. Mas eu toquei seu rosto. Seus olhos ficaram tão brilhante e cheios de vida que toda a dor se foi. Todo o medo já não mais existia. Finalmente, seriamos felizes. O mundo agora, teria uma nova chance. Mas parece que o anjo leu meus pensamentos. "-  Tolo. Tsc, tsc, tsc. Você é um belo vassalo. E você", disse apontando para a pessoa que antes era meu assassino, "-  Você é uma cobra. Não disse a ele, disse? Aposto que não disse que ele deveria trocar de lugar com a messias. Claro que não. Temeu que ele recusasse. Seus malditos! Farei das suas almas minhas empregadas pessoais. Vocês sofreram mais do que qualquer outra alma!". O anjo enfurecido me jogou pra longe e a dor começou a voltar. A cegueira tomou conta de mim, e tudo que eu via era sofrimento. Estava enlouquecendo. Nenhum pensamento me trazia de volta. Pensei nela, em tudo que vivemos. Pensei que eu era apenas uma moeda de troca para o criador. Nada mais importava. Tudo agora era dor e agonia. Meu mundo estaria a salvo, talvez. Mas o meu destino estava certo. Eu iria parecer para sempre, naquele fogo maldito que jamais cessava...

"- Onde estou?" disse a menina com olhos arregalados. "-  Está em segurança. Entenda, você era importante demais."Falou o homem que parecia o dono de toda a bondade que existia. "- O que houve com meu amor? Onde está ele? Preciso ouvir sua voz...". Ela estava trêmula demais. "- Mas não vai. Ele se sacrificou por você. Agora, sua alma está despedaçada no inferno, como a sua antes estava." Ouve silencio e os dois se encaram por muito tempo.
"- O que eu sou?" Perguntou ela, quase em suplica. "- Você é uma das muitas de minhas filhas. Todas jazem no inferno, sobre o comando de meu filho ganancioso... Não podia perder você. É a unica chance de salvar os humanos. Não diga nada, agora você não entende, mas um dia tomará a escolha certa. Adeus de novo, minha doce e amada filha. Que teu nome seja gravado nas costas da senhora destino. Que dessa vez, ocorra tudo bem. Eu não aguento mais essa guerra". Finalizou o homem com a voz calma e inabalável.


A noite era escura e fria. O homem segurava a mão da esposa e dizia que tudo ficaria bem. A mulher dera a luz à uma linda menina. Era como se o mundo todo se abraçasse de alegria.
A felicidade do marido e da esposa, era infinita. Ali, naquela garagem abandonada, nascia a criança que iria um dia salvar tudo e todos.
Mas talvez, não fosse tão fácil assim...
"- Perdão meus amigos, mas essa criança não mais pertence a vocês."  O estranho na porta acenara e três homens fortes levaram a menina das mãos da mãe. "-Tenha piedade!" Gritou o marido.  "- Sim, eu terei. Vassalos". Disse o homem. Ele olhou para um de seus homens e apenas balançou a cabeça em afirmação. "-  Mate os dois ao mesmo tempo. Seja breve, hoje estou de muitíssimo bom humor." Dizendo isso, o homem saiu deixando o marido e mulher em prantos. O capanga erguei a arma para atirar e apertou o click do gatilho...          



                                        Continua...