quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Suicide Note pt 1

Ele descansou o pulso cortado sobre a mesa.
Sua cabeça flutuava com a demência de um sociopata.
Nada era nítido, mas ele estava bem.
Resgatou algumas poucas cenas que agora faziam sentido.
Não ligou pra nada por um momento. Nem pra si mesmo.
Enquanto o liquido da vida escorria, sentiu as lágrimas brincarem com ele.
O sorriso que tomou conta agora, era puro e verdadeiro.
Acabou. Finalmente morreria, pensou.
Fez um ultimo pedido. Mandou um ultimo beijo.
Aos poucos, fechou os olhos, grato ou não.
Acordou, mas temia aquela cena.
Aquele sonho repetido constantemente.
Sabia que dentro de seu sub-inconsciente, ele era capaz daquilo.
Papéis memoráveis talvez, sejam a unica coisa que deixou pra que lembrassem dele.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Apologize

Vai faltar luz nesse quarto escuro.
Deixe que falte, inclusive o ar.
Não importa mesmo.
O único consolo que tenho, você sabe bem qual é.
Erros repetidos, futuros destruídos.
Calmaria com sede de sangue.
Nunca há intenções negativas.
Não adianta dizer bem alto o que não acredita de verdade.
Deixe que entre o vento. Deixe que ele destrua nossas convicções.
Deixe que o fogo nos queime e nos leve junto às cinzas.
Deixe a água nos lavar e criar novos horizontes.
Jogue a terra por cima dos nossos antigos "egos".
O que acontece comigo, acontece com você.
Te amo e me desculpe por ser o furacão quando você precisa de calmaria.


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Afinal

Pegue o assassino que está em mim.
Use-o impiedosamente;
Faça que saibam a diferença entre dor e felicidade.
Grite aos ventos que sabe o que quer.
Destrua as sensações que escuta sem sentido.
Não sabem o que é.
Só dói em que vê.
De perto, do lado de dentro.
Respire o quão fundo conseguir,
Tire as ataduras que cobrem seu pulso.
Pule de onde está sua base.
Jogue pra mim seu coração.
Deixe que meus braços fiquem gigantes pra você.
Novamente, somos só nós dois.