terça-feira, 17 de julho de 2012

Sangue



Disse para os ventos se calarem. Músicas não falam mais por mim.
Na hora secreta que fugia todos os dias, agora enche a cabeça de vida pensada.
Perguntas e respostas medidas no ato. Nenhuma solução me agrada.
Coração tenso, cheio de fotos que se foram. Pode até ser chuva de temporal...
Um lago formado por tudo aquilo que não somos.
Desistir de indagar sempre. Resistir ao tempo longe.
Pernas quebradas, braços cruzados. Grito o mais alto que consigo.
Essa correria de gotas incontáveis, ameaçando me dissipar.
Um tracinho escarlate surgiu, somente em outra realidade.
Não posso me conter, nada poderia matar isso aqui. Daqui.
Deixe que minhas asas te envolvam mais uma vez.

2 Confessaram:

TaTa disse...

Não.
Não permita que se acabe.
Ainda que não te caiba escolher.

serra de alencar, gabriela disse...

Não permita que se acabe, ainda que te caiba escolher...

Postar um comentário