terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Ele é assim mesmo; pulsante.

E nada é meu. Tudo é interligado, misturado com cores e sons.
Raivante sopro que passa pela realidade. Desligado.
Abjeto, e ao mesmo tempo puríssimo.
A noite, quando queima sem me avisar, deixa clamor.
Cada vez que eu não percebi, uma lasca dele se quebrou.
Um brinquedo torto, que usamos quando queremos.
Fraco, porém relutante e atrevido.
Implica consigo mesmo e acha impossível a derrota.
Não possui serenidade; Se engana.
O teu prazo de validade é infinito, mas desconhecido.
Persegue o sentimento que me tens.
Como tudo que se constrói com a alma, é belíssimo.
Apenas me deixe te levar, seja pra onde for...

sábado, 21 de janeiro de 2012

Mundo Escuro

Vazio e escuro contidos num desejo noturno.
As paredes se estreitam e deixam-se afundar.
Abismo profundo, irrelevante.
Alma sugada com força, rastreado com exatidão.
No escuro, todos são iguais.
Medos despojando de dor alheia. Ou própria.
Falta de pensamentos concretos, levam a perfeição.
É só um risco vermelho no pulso, inofensivo.
Priva a safira ínfima que está dentro de si mesmo.
Afinal, somos todos imortais. 
Desse jeito, sabemos que sempre vamos viver.
A escuridão sempre acontece.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Minha Estrela

Que as peças pregadas pela vida, sejam todas doces.
As poucas amargas, a gente adoça com o que pudermos.
Do outro lado da porta, somente felicidade.
Juntar os dois lados do cérebro. Emoção, razão
Esperar de pé, com as asas prontas para o uso.
Se não for, nada mais é. 
Nada será.
Impossível superar o amor.
Nenhum ódio seria tão grande assim.
"Sou grato por tudo que não tenho".
Porque sem você, nada teria nenhum pingo de sentido.