sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Lua Sincera e Diabólica

O delírio surgiu em mim. Reinou como um diamante sobre a guerra.
Nenhuma palavra condizia com a atitude.
Fraqueza, impureza, fracasso.
Uma repugna sobre algo infame, falível.
Quebrei meus passos, todos eles curtos.
Os pedaços de minha alma, já não são todos certos.
Encaixes contraditórios. Ilusão fragmentada.
A real luta, lustrada em sangue e chocolate.
Nenhum anjo me alcança mais, nenhuma oração vai me proteger.
Poucos acordes, fúnebres e cheios de dor.
Quero o velho novo. Quero que meu corpo seja abduzido pelo teu.
Me proteja de minha vergonha e destrua minha ira. 
Hoje, me aboli de mim mesmo.