quinta-feira, 9 de junho de 2011

O Jardim Selvagem


Chegou o solstício do inverno.
Agora, as pétalas florescem simplesmente por prazer.
Almas queimam com cada dor não dita, não percebida.
Incontáveis mitos quebrados, destravando todos os possíveis venenos.
Só irá te satisfazer aquele que queres realmente.
No silencio, no olhar ou num simples toque.
Amo, esse meu presente, dado pelos deuses.
Bela como um girassol, que tanto ama. Uma ninfa em todo seu esplendor.
Ela faz-me feliz, tal como ninguém fez,faz ou fará.
A certeza disso revela-se no sangue, no laço que não se quebra.
Nenhuma promessa, exceto aquela já foi cumprida.
O sol, já não fere tanto a pele, mas é na noite que achamos um caminho.