sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vício


Ressaca desprovida de dor. Época de se conhecer.
Merecimento impune pelas breves mudanças, sempre pra cima.                   
Queria poder lidar com isso, sem debates ou amarguras.
Instantaneamente dopado ou entorpecido. Peço ou oro pra qualquer um, só por consolo.
Finjo ouvir a resposta. Brinco de teatro e faço drama.
Mundo ilegal vivido por dois, fatos que transmitem fogo e gelo, simultaneamente.
Vozes berradas, mesmo que no silencio. Faz pensar se morro por querer.
Sozinho, quebro todos os ossos, na esperança de que se curem automaticamente.
Dores pacientes não têm pressa alguma.Olhos provocativos, não tentam ou atentam.
Não há nada que saiba como dominar o ar, mesmo tentando. Encolho-me insatisfeito, sempre lutando contra o egoísmo.
Mente impregnada com o odor ríspido enquanto cobiça tudo que alcança. Truque noturno pra a disfarçar hora mais propicia.
Fraqueza dos olhos, entregando-se por completo. Encoraja pequenas luzes, a brilhar entre nós.
Rola abaixo tudo que prega na cruz, surpresas que nunca terminam.
Fico mais jovem a cada dia, levando comigo uma certeza: Sei o que é eterno.

1 Confessaram:

| TaTa | disse...

Muito Bom! Esse é meu garoto, rs!

Postar um comentário