quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Raiva Interrompida

Hoje não sentirei sua força minúscula me repelindo.
Nem daqui a uma semana. Nunca mais. 
Não nesse corpo,
não nesse estado que estou.
Sentirei sua falta sempre. Todas as vezes que eu olhar
pra minhas marcas, vou lembrar. Você vai estar lá.
Desejo que você tenha ido para onde eu provavelmente não vá. 
Te desejo o céu, e muito mais.
O que passamos, mesmo que em curto tempo,
jamais irá embora. Guardo em mim sua luz.
Não quero estar triste quando sua memória
me vier – quero lembrar somente das coisas boas.  
Sua busca incessante por velocidade e “não afeto”. 
Voz que chamava, quando queria somente companhia.
Não que você gostasse, muito pelo contrario.
Adorava ficar sozinha, e quando chegava perto, quase não 
deixava que te tocassem.
Lembrarei sempre deste dia, mesmo sabendo que
vai me trazer um rio salgado aos olhos.
Um dia, todos juntos estaremos, e só então, vou entender
porque devemos todos passar por isso.
Dizer adeus agora seria muito tardio e desnecessário. 
Sei que no fundo, você queria mais tempo por perto.
Garras firmes, cravadas na minha alma.
Sé que eu tenho uma.
Obrigado pela lição. Agora eu sei que não importa
o tamanho, mais sim, a coragem.
Que onde você estiver, tenha sempre alguém disposto a te dar a mão...

1 Confessaram:

| TaTa | disse...

E essa é a curta história da gatinha que não sabia que se chamava Becca. Brava que só, mas no fundo nos amava.

Postar um comentário