segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Surreal e raro

De maneira caótica, porém real.
Como devia ser, e é.
Provas apresentadas, que nunca foram questionadas ou exigidas.
Irracional, como quase tudo que realmente importa.
Sentir, e não pedir.
Ter sempre, e ainda assim, não o bastante.
Saber tudo, e mesmo assim não querer saber.
Doce, com a dose certa de amargura.
Rejeitar, só pra poder agarrar de novo.
Elevar-se com o gosto, e depois esperar pela queda.
Amar, mesmo que com fúria desnuda.
A consciência que tem, e a “mão que balança o berço”.
Um do outro, cada um do seu próprio lado.
Gatos crescidos, com um “que” de guardiãs.  
Com ou sem um céu estrelado a nos esperar, aqui estamos.
Um pelo outro. Mesmo com as asas arrancadas.

1 Confessaram:

| TaTa | disse...

Assumindo formas inconstantes, palavras em versos, em prosas ou estrofes, celebrando o que o peito guarda!

Postar um comentário